15 49.0138 8.38624 1 0 4000 1 https://www.redhotchilipeppers.com.br 300 true 0
theme-sticky-logo-alt

13 anos da turnê mundial do álbum “By The Way” pelo Brasil em 2002

RHCP2002PR250711

Hoje, 11 de outubro de 2015, completa 13 anos da volta do Red Hot Chili Peppers ao Brasil em 2002 em turnê mundial do álbum “By The Way”. A banda se apresentou no dia 11/10/2002 no Rio de Janeiro – RJ, no dia 12/10/2002 em São Paulo – SP e no dia 14/10/2012 em Porto Alegre – RS.

Na época, o fã-clube RHILA (abreviação de RedHotInLoveApotamus) era o canal de comunicação entre os fãs da banda aqui no Brasil e membros do fã-clube combinaram de se encontrar na fila dos shows, alguns deles deram entrevista para o jornal O Estado De São Paulo contando a expectativa para o show de São Paulo, relembre a matéria publicada no dia 10/10/2002:

Matéria publicada no dia 10/10/2002 por Adriana Del Ré e postada aqui no site em outubro de 2012.

Fãs contam segundos para show do Red Hot

Não basta ser fã, é preciso ter sorte. Que o diga a estudante Paula Costa, de 21 anos. Quando os integrantes do Red Hot Chili Peppers vieram ao Brasil, em 1999, uma emissora de rádio lançou uma promoção que daria como prêmio ao vencedor com uma visita ao camarim do grupo no Credicard Hall. Para ter chance de participar da tal promoção, os ouvintes precisavam gastar o dedo discando para um número de telefone fornecido pela rádio.

Depois de dias a fio tentando ligar, em vão, para o número, Paula quase desistiu da empreitada. Pensou melhor e, no dia anterior ao show, arriscou pela última vez. Inesperadamente, conseguiu. Passou algumas informações suas pelo telefone e ficou aguardando a divulgação do nome do felizardo. “No dia do show, soube que era eu”, conta. “Uma hora antes de terminar o show, eu mal podia acreditar que iria encontrá-los.”

Paula não esquece o grande dia: 8 de outubro de 1999. “Estava tudo escuro, com velas acesas e cheiro de incenso. O Flea estava sentado e se levantou para me abraçar, foi um amor”, lembra, com detalhes. “Eu tentava conversar com ele, mas meu inglês era péssimo.” Paula conheceu ainda Anthony Kiedis e John Frusciante, mas não encontrou a mesma recepção calorosa de Chad Smith. Ela diz não ter se importado. “Foram só dez minutos, mas os melhores da minha vida.”

Nesta semana, ela participou de um novo desafio proposto por uma rádio, na esperança de reencontrar os integrantes do Red Hot Chili Peppers no backstage. Não teve a mesma sorte de três anos atrás, mas vai ao show assim mesmo: no Rio, amanhã, e em São Paulo, no sábado.

Dona de 40 CDs e 50 fitas de vídeo, Paula é uma das fundadoras de um fã-clube virtual, de nome comprido, o Redhotinloveapotamus. Atualmente, o fã-clube conta com cerca de 120 membros. Entre eles, o auxiliar de compras Daniel de Aguiar, de 23, filiado há seis meses. Fã confesso do grupo desde que ouviu o hit Suck My Kiss, Daniel conferiu o show no Credicard Hall, em 99, e vai repetir a dose amanhã, no Pacaembu.

No próximo final de semana, vai juntar-se a outros colegas de fã-clube para uma festa de confraternização, onde farão um balanço do show. “O que sempre me atraiu na banda foi a irreverência, a alegria. Hoje, eles estão menos bagunceiros, mas gosto deles mesmo assim.” Para o auxiliar de webdesigner Altair Pereira Santos, de 18 anos, outro membro do fã-clube, o som é o principal mérito do grupo. “Existem músicas deles em que chama mais atenção o baixo, ou a bateria. Isso também depende do momento em que eu as ouço”, diz. “Me tornei fã em 99, quando eles vieram ao Brasil, mas, como eu não tinha idade para entrar no show, minha mãe não me deixou ir.”

Dois anos depois, quando o Red Hot Chili Peppers retornou ao Brasil, desta vez para se apresentar no Rock in Rio, mãe e filho foram ao show juntos. “Este ano, ela queria ir ao Pacaembu também, mas não poderá porque mora em Santos.” Altair vai e na pista. “Comprei o ingresso assim que as vendas começaram.” Com a camisa do fã-clube, vai unir-se aos colegas na fila, às 7 horas da manhã. “A intenção é chegar o mais próximo do palco”, diz o garoto, que sonha mesmo em cantar uma música com o Red Hot. Reconhece, entretanto, o devaneio e conserta. “Tirar uma foto com eles já está de bom tamanho.”

Serviço – Red Hot Chili Peppers. Sábado, às 21 horas. Os portões serão abertos às 17 horas. De R$ 40,00 a R$ 120,00. Estádio do Pacaembu. Praça Charles Muller, s/n.º. Ponto-de-venda sem taxa de conveniência: Credicard Hall (Av. das Nações Unidas, 17.955). Com taxa de conveniência: Directv Music Hall (Av. dos Jamaris, 213); lojas Saraiva dos shoppings Eldorado e Morumbi; Fnac Pinheiros (Av. Pedroso de Morais, 858) e Campinas (Parque Dom Pedro Shopping). Ingressos para estudantes só serão vendidos na bilheteria do Credicard Hall. Informações e vendas 6846-6000 ou www.ticketmaster.com.br. Patrocínio: Cervejarias Kaiser.

Agradecimento: Cultura.estadao.com.br

Previous Post
Foto: Josh, Chad, Danger e Chris no jogo dos Dodgers
Next Post
Anthony e Flea irão acolher 350 convidados em jantar privado no Silverlake Conservatory of Music