Flea Mail – 12 de Setembro de 2016

flea

No Flea Mail do dia 12 de Setembro, Flea fala sobre seu inconformismo sobre o uso abusivo de celulares, fala um pouco de Chris Warren e Nate Wolcott e descreve sua passagem por Estocolmo. Confiram abaixo a tradução na íntegra:

“Andar, andar e andar a pé por todos os lados de Estocolmo. Toda esta aventura escandinava tem sido algo mágico, pude testemunhar reis mortos e enterrados sob placas de pedras antigas, visitei cemitérios repletos de paz ao sul de Estocolmo, respirei profundamente o ar fresco em meus pulmões. Temo, no entanto, pelos jovens do mundo. Um após o outro que vão descendo as ruas, em grupos ou sozinhos, mas quase sempre com os rostos colados em seus celulares. Eu testemunhei centenas de crianças andando pelas ruas que nem sequer olhavam para cima para pelo menos evitar que caíssem em uma vala. Grupos de crianças que não proferiam uma palavra sequer, nem se maravilhavam com a imensidão azul acima de suas cabeças, ficavam apenas olhando para aquele dispositivo retangular enquanto perambulavam. Eu acho que este é um fenômeno mundial de tristeza. O que será de nós??? Para onde iremos? Precisamos encostar e olhar para o céu, e deixando nossos espíritos livres. A imaginação precisa  fluir, livros devem ser escritos, sinfonias devem ser compostas, novos estilos devem ser inventados. Pôxa, venha e faça alguma coisa que realmente me impressione, que me force a ver por fora da minha vida. Eu sei que lamento e reclamo enquanto estou sentado aqui digitando em meu quarto, me diga o quão idiota eu sou, eu mesmo sou um usuário de celular. Mas este é um problema que nós nunca havíamos enfrentado antes.

Agora estamos em Helsinki, estávamos jogando ‘Werewolves'(um jogo de cartas) com boa parte da galera que faz parte da equipe de turnê do RHCP, aqui no meu quarto. Rimos histericamente durante a noite. Estou exausto de tanto rir, gargalhar e berrar. Foi tão divertido. Estou tão feliz e apaixonado por esta galera.

Viajando conosco estão outros dois músicos que tocam com a gente. No piano é o Nate Wolcott, ele toca alguns sintetizadores também, ele é muito bom no trompete também. Ele é um cara tão profundo musicalmente e tão generoso de espírito. É muito bom tê-lo junto conosco, é uma intensidade que só pode ser liberada através da camaradagem que compartilhamos. Do outro lado, o do Chad, temos Chris Warren, que mexe com sintetizadores também, além de drum pads e qualquer outra coisa que ele queira. Um Mellotron aqui, um Oboé ali. Chris tem estado conosco desde a turnê Californication, ele sempre foi o roadie de bateria em primeiro lugar, em seguida, evoluiu para tocar junto conosco também. Toda vez que olho para ele, lá está ele tocando alguma coisa nova, ele nem se preocupa em perguntar mais, simplesmente vai lá e faz hahahahahahahahahahahaha. Nós o amamos com todo o nosso coração, ele é um de nós, um de nós, gobba gabba um de nós. Fomos conhecê-lo na audição de bateristas da banda, ele veio e tocou conosco. Nós contratamos Chad, mas Chris tornou-se parte da nossa família e pra sempre estará lá.

Estou animado para mandar ver amanhã em Helsinki, sentir tudo aquilo. Vamos trabalhar juntos para criar uma noite mágica de rock. Vamos dançar como gnus em liberdade, depois nos abraçaremos e choraremos. Muito obrigado a todos que nos apoiam. Eu sinto sua intensidade por todos os meus ossos, me doarei a vocês até a última gota.”

Tradução: Ana Paula Machado Mancini