Anthony relembra momentos da gravação de Blood Sugar Sex Magik

Anthony Kiedis recorda ‘Blood Sugar Sex Magik ‘: “Estávamos dispostos a tentar qualquer coisa”

RHCP-BSSM
O vocalista do Red Hot Chili Peppers relembra o clássico álbum da banda, agora que seu 25º aniversário se aproxima.

Os Chili Peppers lançaram 11 álbuns de estúdio e o mais recente é The Getaway, que foi lançado dia 17 de Junho.  Mas o álbum mais famoso e homenageado no Rock and Roll Hall of Fame  foi aquele de 1991, o Blood Sugar Sex Magik: Um álbum com 17 canções incluindo o hit mais bem sucedido da banda (Under the Bridge , que alcançou a posição No. 2 no Hot 100) e também os campeões de canções mais pedidas nas rádios: Give It Away e Breaking the Girl.

“Essa foi provavelmente a mais maravilhosa sessão de gravação que já tivemos até hoje” disse Anthony Kiedis a EW, antes de descrever esta sessão que agora entrou pra história da banda . “A natureza e origem de tudo que envolvia esta gravação foi muito especial: viver nesta mansão antiga e em ruínas de 1920 em Hollywood Hills que já estava inabitada por tantos anos. Foi a maior, mais abandonada e assombrada estrutura para onde prontamente nos mudamos  e construímos  um estúdio improvisado dentro dela “.

Mas as mudanças que a banda enfrentou na gravação de Blood Sugar Sex Magik foram muito além do que simplesmente uma troca de cenário.

suck_my_kissApós terem batalhado muito no começo dos anos 80 sem obterem muito sucesso, os caras recomeçaram com o álbum Mother’s Milk, de 1989. O guitarrista Hillel Slovak havia morrido de uma overdose de heroína em 1988, o que levou o baterista Jack Irons a deixar o grupo. Kiedis e Flea substituíram Irons por Chad Smith e Hillel por John Frusciante , que posteriormente seriam a formação  mais famosa da banda. (Frusciante deixou a banda amigavelmente em 2009.)

Os caras não pararam por lá.  Rick Rubin construiu sua reputação nos anos 80 através de trabalhos com Beastie Boys, Run-D.m.c., e Slayer, e os Red Hot Chili Peppers escolheram Rubin para produzir o novo álbum, acendendo uma relação profissional que durou por mais de um quarto de século. “Foi nosso primeiro álbum com Rick, nosso primeiro disco com o [músico e produtor] Brendan O’Brien e o nosso segundo disco com John e Chad”, diz Kiedis. “Nós tínhamos entrado em nós mesmos e sabíamos o que éramos e o que queríamos fazer.”

hqdefaultA combinação de autoconfiança e energia criativa definiu as sessões do  álbum, que completa 25 anos em Setembro. “Gravamos todos os dias tranquilamente, não houve pressão e estávamos dispostos a tentar qualquer coisa”, lembra Kiedis. “Trouxemos  do ferro-velho para fazer barulho”.

Esta vibe de ‘tentar de tudo’ surge quando Kiedis compartilha sua história favorita das sessões de Blood Sugar Sex Magik. “No final, nós estávamos prestes a fazer um pequeno cover da música They’re Red Hot, de Robert Johnson”, refere-se ele a faixa que fecha o álbum. “Fomos até uma colina que ficava, literalmente, no escuro da noite e montamos este pequeno espaço para bateria e uma guitarra com cabos que percorriam o morro abaixo. Gravamos e trouxemos para dentro da casa, para a sala de estar, onde havia a mesa de gravação. Nós gravamos essa canção do lado de fora durante a calada da noite enquanto carros cheios de pessoas passavam pela da Laurel Canyon. Se você ouvir atentamente, conseguirá ouvir pessoas cantando dentro de um carro enquanto elas passam “.

O vídeo deste momento bizarro que Kiedis descreve da sessão noturna existe, confiram abaixo:

Tradução: Ana Paula Machado Mancini

Créditos: EW