Entrevista com Anthony Kiedis para o site “The Sun”

Nessa entrevista, Anthony diz como que ser pai mudou sua vida e que perdoa seu pai, Blackie Dammet, pelos erros do passado.

“Meu filho Everly mudou minha vida. Nossa relação me fez perdoar o meu pai..”

Como frontman do Red Hot Chili Peppers, a maior banda do mundo, Anthony Kiedis também foi o mais louco do rock’n’roll.

Aos 11 anos, ele perdeu a virgindade com o namorada de seu pai, de 18 anos. Injetou cocaína aos 14 anos, e quase se matou depois de bater o carro de sua mãe em um árvore a 140km por hora enquanto estava bêbado, o que lhe causou um trauma no crânio, fratura na órbita ocular, e fez ele parecer um “prato de macarrão com almôndegas”.

Kiedis, um viciado em sexo e heroína por anos, já foi multado em mais de 1.200 euros por agressão sexual e atentado ao pudor depois que uma estudante alegou que ele tinha esfregado suas partes íntimas em seu rosto no camarim depois de um show.


Mas hoje, o símbolo sexual de 48 anos de idade, diz que seu único vício é seu filho de 3 anos, Everly Bear, e que é ele quem o mantém na linha.

Apesar de estar limpo de drogas e bebida desde 2000, Anthony diz: “Como todo viciado em heroína sabe, a tentação sempre está lá. Mas ser pai me deu uma razão para viver e ficar sóbrio de uma vez”.

A primeira tentativa em parar com as drogas foi em 1988, depois de perder o guitarrista original da banda, Hillel Slovack, aos 26 anos, por causa de uma overdose de heroína, mas ele teve uma recaída 5 anos depois.

Ele diz: “Todos os dias desde então tem sido uma batalha para ficar limpo, meu filho faz com que me sinta grato por isso. Sou muito sortudo”.

E ele diz que o menino – que tem o nome de uma de suas bandas favoritas, The Everly Brothers -, também impactou positivamente no novo álbum dos Chili Peppers, “I’m With You”.

Ele diz: “Ter o Everly mudou a minha vida. Você pode ouvir a nova energia que tenho, que nós temos, no novo álbum”.

Ao se tornar pai, Anthony refletiu sua relação com seu pai, o ator e traficante de drogas de Hollywood, Blackie Dammet, nascido como John Kiedis.

Não sendo um típico pai, Blackie fornecia drogas e festejava com estrelas do rock, incluindo o Led Zeppelin e Keith Moon do The Who, ícones do cinema e outras celebridades, expondo Anthony ao sexo e drogas quando ele era bem novo.

Há 3 anos, o pai de 71 anos de idade, disse à um documentário da BBC: “Não era incomum eu deixar ele tomar um pouco de ácido, ou fumar um pouco de maconha”.

Os pais de Anthony se separaram quando ele tinha 3 anos, e aos 11 ele mudou de Michigan, onde morava com sua mãe Peggy, para Los Angeles para morar com seu pai. Alguns dias depois, seu pai ofereceu o primeiro baseado.

Uma noite antes de seu aniversário de 12 anos, ele arranjou para Anthony perder sua virgindade com sua namorada, uma menina de 18 anos chamada Kimberly, em sua cama.

Mas Anthony perdoou isso. Ele sorri e diz: “Não importa o que meu pai tenha feito, eu sei que ele me amava, da sua maneira”.

“Mesmo não nos falando tão frequentemente que nem faço com meu filho, ele ainda tem o mesmo sentimento que tenho pelo meu filho, por mim. E eu deveria ser um pouco mais paciente”.

Conhecido na indústria por ser uma pessoa difícil de entrevistar, Anthony é surpreeendentemente bem humorado, contando histórias sobre como Everly é um pacote de energia e que mantém ele nos trilhos, e como seu filho gosta de cantar.

Ele diz: “Não sei quais músicas ele tem na cabeça, mas ele gosta de fazer algum barulho”.

“O fato de minha relação com Everly ser tão boa, me faz perdoar meu pai e ser agradecido”

“Agora posso olhar para trás e dizer que realmente gosto da educação que tive e que meu pai foi bem atencioso e um grande educador. Ele só não tinha as mesmas ferramentas que eu tenho hoje, e não tinha nenhuma maneira de ele adquirir elas naquela época. Então, sim, eu perdôo ele pelos seus erros, e agradeço por ter dedicado tanto do seu tempo e energia em mim”.

Anthony diz que ler o livro The Road, de Cormac McCarthy, ganhador do prêmio Pulitzer, que fala sobre a jornada de um homem e seu filho em um mundo pós-apocalíptico, fez ele entender mais o papel de um pai e sua relação com Blackie.

“Eu li esse livro mais ou menos um mês depois que meu filho nasceu, e foi mágico para mim e expandiu minha mente”, Anthony explica.

“Ele ensina a não subestimar nada. Há um inferno apocalíptico para sobreviver, e você sente o amor daquele pai pelo seu filho. Mesmo não tendo muito pelo que viver, exceto cuidar de alguém”.

“Eu amo meu filho e sempre cuidarei dele, e sei que é assim que meu pai se sente por mim hoje”.

Anthony admite que ainda luta para encontrar e mulher certa e sossegar.

Ele terminou com a mãe de Everly – a modelo Heather Christie, em 2008, e embora ele já tenha namorado algumas das mulheres mais bonitas de Hollywood, incluindo a supermodelo Heidi Klum, a atriz Bijou Phillips e a diretora de filmes Sofia Coppola, ele sente dificuldades em encontrar alguém especial.

Ele revela: “Eu acho difícil encontrar a mulher certa enquanto as pessoas imaginam que eu sou um certo tipo de pessoa que eu não sou”.

Tem sido difícil. Conheço pessoas e elas dizem coisas como “eu nunca sairia com alguém como você, eu sei quem você é. Mas elas não sabem quem eu sou. Acontece muito isso, e a coisa trágica em relacionamentos é que nunca recebo um tratamento justo por causa dessa idéia pré concebida de quem as pessoas pensam que eu sou. Então, estou tentando a todo custo evitar a armadilha de ter um relacionamento baseado em idéias formadas pelo meu passado. Espero que possam abrir suas mentes e redescobrirem quem realmente sou e não quem eles pensam que sou”.

Depois de 28 anos com o Red Hot Chili Peppers – onde eles venderam mais de 65 milhões de álbuns, Anthony chama eles de “minha outra família”.

“I’m With You” é o primeiro álbum em 5 anos, e Anthony está feliz por estar de volta com a banda.

Ele diz que o próximo ano vai ser muito feliz com “muitos shows, mas com intervalos para que possamos tirar uma folga e não ficarmos cansados”.

Anthony também admite que teve uma certa angústia em fazer esse novo álbum, quando ele perdeu um amigo próximo, o que inspirou a música Brendan’s Death Song.

Foi escrita sobre Brendan Mullen, o proprietário do club Tha Masque em L.A., que morreu repentinamente após sofrer um derrame em 2009. Anthony diz: “Ele era um bom amigo e um cara importante”.

“Todas as crianças do punk de Los Angeles que foram destituídos de outros tipos de música naquela época, e que queriam ouvir esse tipo de música, iam a esse club. Ele facilitava isso e promovia. Era da sua natureza, abraçar a música de vanguarda e fazê-la existir. Ele era muito admirado, e era muito humilde”

“Ele foi a primeira pessoa a ouvir uma demo dos Chili Peppers e a dar uma oportunidade de fazermos um show. Então, amamos ele por ter nos dado essa oportunidade e foi o começo de uma longa relação. Sentimos muito sua falta”.

“Mas, apesar dos tempos obscuros, estamos muitos alegres e é por isso que agora é hora de comemorar”.

“I’m With You” será lançado no dia 30 de agosto.

Créditos: Thesun.co.uk

Tradução: Amanda Olivieri

Amanda: